quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Tapa na cara – os percalços de new educação.


No final de 2011 a lei da palmada foi aprovada com unanimidade na Câmara dos Deputados. Uma lei que busca extinguir as punições de natureza física do cotidiano dos pais e filhos brasileiros. Há quem veja com bons olhos, afinal estamos nos humanizando, outros, porém encontram brechas para um perigo sem precedentes.
Um dia desses estava conversando com minha mãe, sobre os novos modelos de se educar – essa high technology que busca ensinar a educação. E quando nos debruçamos sobre esses artifícios pedagógicos, se constata a perversidade que é. Para quem busca de fato uma educação, o caminho é feito de pedras. O que chamo de nova educação é a modalidade aplicada em nossos colégios, que busca preparar os alunos para um mercado de trabalho, e para as tão concorridas universidades públicas. E assim queremos crianças mais inteligentes, mais inteligentes e com retoques torpes de uma educação que é falha. Tudo bem! Não é culpa do colégio, afinal educação vem de casa, já diz o ditado, então piorou... Pois os pais parecem não compreender o real significado de repreensão e encontramos um campo fértil para as moléstias sociais. Quantas e quantas crianças com Transtorno de Conduta? E com Transtorno de Oposição e Desafio? Inúmeras, e o pior é que achamos que é uma birra transitória ou um mimo que não faz mal a ninguém, mas se hoje encontramos tantos adolescentes cometendo crimes e até mesmo matando pessoas é porque perdemos o controle em dado momento.
Que bom seria se educação e inteligência caminhassem juntas, mas infelizmente não é assim que acontece. Quantas crianças bem intencionadas repetem o ano inúmeras vezes e incontáveis crianças consideradas “problemáticas” avançam nas séries seguintes sem limites? O cenário educacional é feito de falhas, porque o sistema do Estado faliu. A família perdeu a essência e a igreja se tornou banal. E o que temos a partir dessas falhas? Temos um Estado impotente, jovens transgressores e uma lei que não reconhece o adolescente infrator como de fato este é. O ECA contempla um jovem das antigas, o batedor de carteira, o “cheira-cola”... Mas como aplicar um ECA em jovens com 10 mortes na ficha criminal? Como aplicar um ECA em adolescentes que são donos de bocas de fumo? É uma questão de lei.
E para somar a esses fatores sociais indesejáveis, nos cai dos céus uma lei que é boa, afinal que bom seria não dar uma palmada no filho, mas convenhamos – se o sistema é falho e se as demais estruturas sociais apresentam rupturas, como imaginar que essa lei será adequada? Não é! Por que não aumentam as verbas da educação? Por que não criam sistemas que de fato permitam uma educação eficaz? E como punirão os pais que derem palmadas em seus filhos? Tirarão-lhes as bolsas família? Vergonha. Criamos leis virtuais e insípidas que marginalizam pais desesperados e do outro lado vemos os governantes que nos roubam milhões saírem ilesos. O que nos falta são leis e programas que capacitem o povo e não diretrizes pseudopedagógicas que tentam suplantar a autoridade dos pais sobre seus filhos.
E assim continuamos prisioneiros de nossas velhas vaidades. Crianças morrem por fome e por drogas e nós criamos leis “boazinhas” para demonstrarmos números para estrangeiros nos admirarem. Mas o Brasil de fato é outro, é os pais onde jovens estão se perdendo por culpa de pais despreparados e por conveniência de um Estado inerte que aplica leis aparentemente inócuas, mas que cedo ou tarde nos causam mais chagas sociais.

4 comentários:

Anônimo disse...

Eu acredito que contra fatos nao existem
argumentos, basta olhar para as decadas anteiores onde os pais disciplinavam os filhos,claro que nao generalizo, mas no tempo que se corrigia com palmadas, varadas e etc. Tinhamos uma sociedade melhor do que esta. Temo por as proximas geracoes.

Rockson Pessoa disse...

Oi Cacau,

É verdade, claro que existiram muitos excessos no passado, mas nunca existiu mal algum em dar uma "palmadinha". Todos tememos pelo futuro e por essa crianças libertas e libertinas.

Bjooo primaa!

Juliana Matos. disse...

É..realmente isso acontece!
Mais o mal é profundo, vai bem além!
Falta amor, falta humanidade, faltam valores a serem seguidos, para que esse setor caminhe bem!

Um abraço querido do sorriso bonito! ;D

Juliana

Janice Adja disse...

Se os pais não derem esta palmadinha, a polícia vai dar no lugar dos pais. A polícia quando bate não apanha de "meia parte".
Beijos!