segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Seres humânicos


Hoje é corriqueiro o termo "produtos orgânicos", tal categoria engloba uma série de alimentos sadios e limpos que são cultivados sem agrotóxicos e sem fertilizantes químicos. Quem pensaria que um dia chegaríamos ao pleonasmo de desejar o orgânico do orgânico? Mas vivemos esse resgate pela naturalidade das coisas... Afinal pelo passar do tempo acabamos por alterar até a natureza dos organismos.

 Há alguns anos atrás o SUS (Sistema Único de Saúde) iniciou um programa no Brasil,   a “Política Nacional de Humanização", que em linhas simples, visava propiciar aos usuários do serviço público um atendimento mais humano - é contraditório, mas o que se observava em muitos centros de saúde era um atendimento deficiente e incoerente.  É importante refletir sobre isso, na medida em que nos deparamos com a problemática de se humanizar o humano... Essa emergência surge na constatação infeliz de uma falta do aspecto humano nas pessoas. Infelizmente os humanos de hoje não são apenas pessoas que tratam mal os outros, eles matam também por motivos mesquinhos e banais. Temos de refletir sobre nosso cotidiano, sobre nossa essência e perceber se nos falta e se temos permitido "polimento social" em nossos filhos. Temos criado produtos nocivos... Pessoas com pestes na alma e com corações de pura terra dura e seca.
 
Será que nas próximas décadas teremos indivíduos que poderão ser chamados de seres humânicos? Pessoas que trazem em sua essência: educação, valores, bons hábitos e costumes. Não digo que exista um roteiro pré-determinado, as pessoas não são robôs, mas o básico é aceitar as diferenças, respeitar e permitir um ambiente social propício para o bem estar físico, psicológico e social das pessoas... Infelizmente a maioria das pessoas “é cultivada” com hábitos tóxicos e se formam cheias de vícios e traços de personalidades nocivas para si e para os outros. São como essas verduras com uma linda aparência, mas que trazem em sua constituição venenos silenciosos...

Os produtos orgânicos apresentam um lugar de destaque nos mercados e até nas bancas mais humildes, de maneira geral são produtos mais caros, em virtude de um maior investimento de pessoal e pelo aumento do tempo/ produto, pela retirada de produtos orgânicos e químicos que fazem com que ocorra uma produção em tempo menor. A maioria das pessoas não vê com bons olhos esses produtos. Querem pagar o menor preço possível e pouco se importam se alface, por exemplo, veio de uma lavoura em Chernobyl - o que vale é ser barato!

No Brasil, penso que no resto do mundo também, pouco se tem valorizado as pessoas de bem. No território nacional é visível o drama dos professores, que de maneira figurada são nossos "agricultores", são eles que lidam com nossas crianças e filhos. O que se esperar de professores tão mal remunerados? Afinal assim como as verduras, o governo quer pagar o mais barato possível... Os professores ganham mal e as autoridades não conseguem perceber a importância de nossos mestres. A educação assim como uma boa horta leva e tempo e investimento, como comparar com o concreto não é mesmo? Deve ser por isso que hoje os políticos só visam obras magníficas, não se importando muito com a qualidade dos usuários. Não enxergam a regra simples: Professor mais valorizado é igual a um profissional mais motivado e isso gera alunos melhores, pessoas melhores... Está diante do nosso nariz, mas educação é algo clichê e banal - um perigo!

Espero que um dia possamos valorizar as coisas como elas são. Assim teremos alimentos realmente naturais e limpos e pessoas genuinamente humanas e verdadeiras, até lá vou tomando cuidado com a beleza que me chega aos olhos... E vou cultivando a sensibilidade de perceber o que é natural, para poder não levar na sacola da vida, pessoas artificiais e "estragadas" e quando em casa chegar, ensinar meus filhos a preparar uma salada natural, para que aprendam desde cedo o valor do correto e do certo.


TEXTO:
Rockson Pessoa
IMAGEM: http://www.estadao.com.br/

17 comentários:

Teresa Cristina disse...

Olá amigo, que reflexão oportuna. Olha, como trabalhadora da área da saúde pública te digo: Os próprios profissionais trabalham em locais quase que desumanos. O Centro de saúde que trabalho tem mofo, as cadeiras dos dentistas são insalubres, não há acessibilidade, o banheiro dos funcionários é um só. A recepção para os pacientes são bancos baixos, quebrados e entendo o porque de serem impacientes, rsrrs. Assim, nervosos e com dor, agridem os funcionários do posto a todo tempo, que chega a uma certa hora que também ficam enfadados. O que resta me dizer: "Esse é meu Brasil, esse é meu Brasil" :( !! Bjus

Diva L. disse...

Certa vez li que, "pior que a terra seca do sertão, é a terra seca do coração do homem". É o que vejo diariamente, seja no real ou virtual, uma legião de corações secos e improdutivos, que por motivos banais denigrem, agridem e maltratam pessoas que mal conhecem. Estamos vivenciando o surgimento da geração iceberg que se reproduz a cada dia, como lactobacilos.

A nós, a resistência para que os valores sejam preservados. Reflexão extremamente apropriada. Desculpe o extenso comentário, mas a culpa é sua (rs).

Bjo grande, abraço na alma e é sempre bom te ler.

Diva L.
//salto15vermelho.blogspot.com

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Achei sacadíssima a expressão "seres humânicos", muito apropriada ao contexto. Seu blog é ótimo e seu texto idem. Obrigado pela visita ao Consoantes Reticentes. Um grande abraço!

Camila disse...

Adorei essa tua comparação de produtos orgânicos com pessoas, e concordo com o fato de as pessoas de bem serem tão pouco valorizadas, infelizmente!
Muito bom o texto ;*

Ana SS disse...

Dizem que somos o que comemos.
Quanta porcaria, não?

Luna Sanchez disse...

Oi, guri! Tudo? =)

Eu quero ser um pé de alface orgânico, daqueles bem bonitos e naturalmente atraentes, posso?

Rs

Sabe que lendo teu post me lembrei de Clarice e "Das Vantagens de ser Bobo"?

Beijos, saudades de ti.

ℓυηα

Linda Sonhadora 10 disse...

Adorei o texto, isso chega ao ponto em que ocorre a inversão de valores, onde ser educada se torna uma qualidade, não mais um quisito básico entre as pessoas. bjs

Eraldo Paulino disse...

Eu ia lendo você e lembrado de "Ensaio Sobre a Cegueira" do já saudoso Saramago. Penso que a medida em que comercializamos nossos sonhos, nossa esperança, nosso amor, quando vamos transformando em produto tudo aquilo que é essencial e optando por competir ao invés de unir em nome do capital, a humanidade nossa vai indo embora.

Agora, lendo teu post também fiquei me perguntando: ser humano é ser bom ou ser mal?

Eu ainda fico com a primeira opção também.

Post fantástico.

Abraços!

Crônicas do Cotidiano disse...

Oi Teresa,

É importante essa tua compreensão - não podemos desconsiderar os servidores públicos que trabalham em péssimas condições! O que dizer? Muda Brasil!!!
Bjo minha amiga.

Oi Diva,

É verdade... Corações secos é o pior da festa! Cabe a nós o papel de regar tais corações, assim poderá brotar algo de bom neles!
Bjoo minha amiga.

Oi Marcelo,

Eu que fico honrado com tua visita! E o espaço é seu
Abraço e volte sempre!

Oi Camila,

Infelizmente essa é realidade percebida - façamos a diferença!
Bjoo

Oi Ana,

Que bela porcaria...
Bjoo minha amiga

Oi Tartaruguinha...

Complicado essa coisa de alface orgânica guria... Tú é tartaruga, dae como podes desejar ser teu próprio alimento? Bah tartaruguinha você sempre surpreendendo! Rs
Bom te ver por aqui e bjo minha amiga.

Oi linda sonhadora,

É verdade... Algo que era necessário se tornou opcional! Preocupante!
Bjoo

Fala amigo Paulino...

Pois é meu amigo, aqui ponto chegamos hein? Temos nos prostituido mesmo, uma lástima.
Olha... Penso que ser bom é sempre a melhor opção - não que venhamos a ser, mas pelo menos demonstramos o intento de sermos algo melhor!
Abraço amigo

Luna Sanchez disse...

Eu só queria ver se tu estava atento...ahahahaha

:p

Beijoconas, pestinha!

ℓυηα

Marcio JR disse...

Olá, Rockson.

Estava de passagem lá no blog da Luna Sanchez, e vi um link para o teu blog, e sinceramente, ganhei a tarde. Sou um adorador de crônicas e contos, e gostei muito do que li por aqui.

Acredito que essa questão que você trata no seu texto, é um pouco mais profunda, tendo as raízes no seio familiar. É alí o lugar onde os filhos vão se espelhar para a formação do caráter. Ou seja, é pura osmose. Obviamente, o sistema educacional colabora para melhorar ou piorar essa situação, mas nessa parte, já temos um abandono quase que completo por parte do mantenedor, no caso, o Estado.

É um tema extremamente farto, e creio que se fosse para comentar a altura do seu texto, eu precisaria escrever outra crônica... rsrs.

Hoje, foi só para conhecer teu espaço, mas gostei e peço licença para voltar.

Um abraço.

Marcio

Crônicas do Cotidiano disse...

Oi Tarturuguinha,

Estou sempre antenado! Risos!
Bjoo guria!

Oi Márcio JR,

Muito obrigado pelos elogios Márcio... Ainda mais vindo do amigo. Olha se for para responder com crônica - me envia o link para eu comentar também!
Quanto ao teu retorno... Será um prazer ter o amigo no espaço! Volte sempre!
Abraço

Lys Fernanda disse...

Olá, eu só vim agradecer o carinho que voce teve ao escrever aquele comentario no meu blog.
Um beijo, escorpiana! rs.

Liss Sixx (Elih) disse...

Considero essa ideia toda complicada, primeiro por que acredito, que quanto mais se tentar humanizar o ser humano, além de muita ingenuidade com algumas coisas, é possível encontrar muitos parasitas existências. O homem é o lobo do homem, e há o risco de torná-lo ainda mais feroz.
E se os humanos em si nunca forão tão bons, o capitalismo foi a partida inicial para destruição completa e lenta da nossa espécie.
Mas é esse ciclo egoísta, vicioso e demente que faz nosso mundo girar. Pode ser pessimismo meu, mas é mais simples melhorar as verduras do que as pessoas.

mil beijos, caro amigo

Crônicas do Cotidiano disse...

Olá Lys,

Um beijo pra você também!

Oi Amiga Liss,

Concordo contigo, mas é aquela tal coisa: tudo é possível quando se investe tempo e meios para fazê-lo!
Bjkss

Vanessa Souza Moraes disse...

Pessoas com pestes na alma e com corações de pura terra dura e seca.


Uhhh, doloroso.

Crônicas do Cotidiano disse...

Oi Vanessa,


De fato muito doloroso!
Bjkss