domingo, 15 de maio de 2011

Está faltando gente!



Está lotado! Este deveria ser o anúncio em todas as portas das casas. Deveria ser esse o slogan das escolas, das igrejas e dos gabinetes. Têm título demais no mundo – médicos demais, advogados em demasia, pastores, padres e todos nós profissionais. Mas por alguma razão incongruente, nos falta ‘gente’.

Ando nas ruas e vejo diplomas, encaro roupas de grife e seres apressados. Mas encontro poucos seres humanos. Estariam eles em extinção? Os humanos mais comuns têm a idade entre 2 a 7 anos. Depois disso perdem a inocência, a grande maioria, e se torna simulacros de adultos enfadonhos e ocos.

Nas ruas vejo carros apressados, ônibus lotados e o comum é sempre encontrar esses pseudo-humanos sendo carregados para cima e para baixo, mas não importa o meio de transporte – são todos iguais.

Quando foi que nos tornamos tão mesquinhos? Em que momento da nossa história rasgamos a moral e os valores e passamos a considerar o nosso umbigo como realeza? Não sei, só sei que a humanidade caminha para um desumanidade laxante.
Os japoneses buscam fazer robôs humanos e nós buscamos avidamente nos tornamos humanos robôs – a diferença é que os japonês ainda buscam o protótipo, enquanto nós já nos tornamos um produto raso e perfeito da indiferença.

Então é esse o cenário: robozinhos e barbies de idades variáveis nas ruas. Mulheres plásticas e saradas e homens anabolizados e motorizados. O mundo exige isso – os que não se encaixam viverão no limbo do descaso. E assim as coisas mais uma vez se invertem: os certos são aviltados e os anômalos consagrados – é a modo de ser diferente: a onde é nada combinar!


Hoje valores básicos como respeito ao próximo e educação estão extintos! E se engana quem acha que os despossuídos são os pobres e miseráveis, pelo contrário, a gente geralmente encontra valores e respeito nos menos favorecidos... A ignorância senta em bancos de universidades e faculdades. A brutalidade social já é diplomada!
A verdade é que somos dominados por nossos egos de elefantes! Somos peças descartáveis de uma sociedade adoecida que grita em quadro paranóico. Estamos adoecidos, na alma e no corpo. Mas anestesiar é apenas um mascarar o problema, mas infelizmente a grande maioria busca por tal engodo - e assim vamos nos drogando, vamos nos alienando em frente as maiores e mais caras tv’s. Tudo para esquecer e mortificar o humano que teima em viver em nós.

Quem sabe um dia nos tornemos os tais robôs desejados, quem sabe... Mas para minha infelicidade vejo uma involução! E assim vejo pessoas se tornando animais e por isso é que torno a dizer: tá faltando gente! E aí, o que você irá fazer?

TEXTO: Rockson Pessoa
IMAGEM:http://vaiquecola.tumblr.com/

5 comentários:

Brenda Gomes disse...

Adorei a reflexão e concordo com a sua opinião. A humanidade perdeu seus valores, a aparência se sobrepõe as virtudes e a sociedade condena quem não faz parte dos famosos "estereótipos". Bjs

Eraldo Paulino disse...

Concordo plenamente. As vezes eu olho pra algumas pessoas e penso que o emprego delas deveria ser o de não sair de casa.

Abraços!

Juliana. disse...

Valores são essenciais
será que existem ainda?
Um abraço meu amigo!
Ju

Fernanda disse...

Concordo contigo que humanos mais comuns têm a idade entre 2 a 7 anos. Perfeito!

Rockson Pessoa disse...

Olá a todos os amigos que comentaram! Primeiramente agradecer a visita e o tempo dos caros! E pedir desculpas por não poder visitar seus cyberespaços.

Em breve estarei na ativa novamente! Um abraço.