terça-feira, 22 de junho de 2010

Amor e dúvidas de conta conjunta


Passou... E aqui ficou meu [Eu]
Indecifrável digital.
Um xiste sem graça! Piada inacabacada...

Eu sei que estava uma mixórdia, mas não tinha jeito?
Não se pode arrumar o coração?

Passou... Rápido/ligeiro e nos olhos a decepção.
Se foi!Para longe levou...
Um misto de saudade e dor se instalou...

Passou... E aqui ficou meu [Eu]
Eu de Mim... e algumas comorbidades...
Para mostrar que sempre fica um pouco, algo mais!
Fagulhas de desejo... Pedacinhos de [volta depressa]
Senhas de uma conta conjunta...
Que em tal conjuntura perdeu a razão.

Vou debitar um pouco de mim de você

Posso não te pôr em dívida...
Mas sempre cabe uma dúvida
De não mais te querer...
Mas por fim...

Fica apenas o leve perfume e os versos
A lembrança inaudível dos sorrisos e dos abraços...
Dos pactos quebrados e indissociáveis.
Extratos diversos..

É vezo! Sim, esse hábito que tens...

Vai mais não parti! Fica em mim!

Colou em minha´lma... Sanguessuga voraz!
Antes tivesse ausente, mas ficou presente o [in]desejo
Esse desejo louco e desalmado...
Gutural bobo desfecho.
Deleito...
De no final te querer

6 comentários:

Teresa Cristina disse...

Oi Rockoson, que lindo, até eu senti do lado de cá da tela do computador...mas agora fica na história e nas suas lembranças!bjus e boa semana!

Crônicas do Cotidiano disse...

Opaa...Fico feliz por sentir!
Bjkss e boa semana para você também Teresa!

dianaBruna disse...

E ainda há crédito para querer? Ou o saldo está zerado?
E que se faça a poesia!
Gostei daqui, obrigada pela visita!

Crônicas do Cotidiano disse...

Oi Bruna!!

Sim, sempre há! Esse coração é um apaixonado individado! Heheh

Anônimo disse...

Parabens... gostei muito do que li

Anônimo disse...

parabens...gostei =)