quinta-feira, 8 de julho de 2010

Menino de rua


Era uma vez um menino que perambulava pelas ruas da grande cidade... Seu olhar contemplava tudo e todos e por mais que o desprezassem, ele apenas sorria. Maltrapilho e descalço, se sentia o dono de tudo, afinal era senhor de todas as esquinas daquele lugar.

De noite procurava se recolher, com isso, encontrava companhia no amigo de muitos anos, um velho papelão e assim dormia e sonhava. Nos seus sonhos, já não era pequeno, e nos pés um lindo sapato... Nesse mesmo sonho, se via engravatado, como as pessoas que via na rua, as mesmas pessoas que o ignoravam e de certa maneira o desprezavam. Em certo momento, ele entrava em uma luxuosa panificadora e comia uma torta que só poderia ser comida com um dinheiro que ela não possuía. E assim seguia o seu sonho, onde assumia algo que não era ele e nem dele.

No dia seguinte, mais uma vez estava vagando maltrapilho e satisfeito, pelas ruas da velha cidade. Agora seguia para frente de uma churrascaria e ficava um bom tempo gravando cada detalhe de tudo, dos pratos, das carnes e contemplava tudo sorrindo. Depois procurava no lixo algum pedaço de sanduíche e voltava a olhar para a comida e para as pessoas que freqüentavam o lugar... Em dado momento, um mendigo que passava pelo local, e que o conhecia o indagou:

-O que você ganha olhando essas coisas meu filho? Não sabe que não tem dinheiro para comprar nada disso?!

- O que eu ganho tio? (O garoto esboça um sorriso de francos dentes)

- Eu ganho meu jantar de todas as noites, pois quando eu durmo eu sonho que posso comer tudo aquilo que vejo durante o dia. Por isso fico aqui para que a minha cabecinha não esqueça os detalhes de nada...

- O velho mendigo o olha sem entender!

- Sabe tio... Vou te contar uma coisa...

-
O menino dá uma mordida apaixonada no velho sanduíche ... Fita os olhos do mendigo com uma convicção assombrosa e em meio a um tímido sorriso, dispara...

-Hoje a noite serei aquele doutor ali

Nenhum comentário: